não há paraíso perdido para o corpo não domesticado

não há paraíso perdido para o corpo não domesticado

3 de setembro de 2018

Salve, mulher. Salve, irmandade.

Salve carne incrédula!

Não há crença que sobreviva em corpo que goza.

Batizado na liberdade do S E N T I R.

Obediente às escrituras imediatas da pele viva no agora.

Fiel seguidor de seu deus, de seu sexo sagrado.

Não há paraíso perdido para um corpo não domesticado.

 

bençãos de coragem, fé e amor

Fernanda Franceschetto

fêmea, filha, mãe, gestalt-terapeuta, atriz, jornalista e mística moderna

 

www.fernandafranceschetto.com