não há espiritualidade que não seja na carne

não há espiritualidade que não seja na carne

9 de novembro de 2018

Salve, mulher. Salve, irmandade.

Não há espiritualidade que não seja terrena, na carne tomada por corajosa e plena presença.

A embriaguez do êxtase – aspecto transcendente/ divino de nossa existência – torna-se autoengano e fuga se não canalizada como potência para enfrentar nossas sombras e para servir uns aos outros.

Somos muito mais sombras do que luzes.

Enquanto não aprendermos a dançar e a encarar os passos íntimos e negados de nossa própria ignorância, não nos sentiremos inteiros, livres, seguros e abertos em nossa nudez radical, em nosso estado natural, não domesticado.

Abre-te para tua própria sombra.

Acolha a sombra do outro.

Baila com as trevas.

Perca o medo do escuro.

Fecha os olhos.

Entra em ti.

Aí encontrarás o território que precisas penetrar, conhecer, gozar, gritar, chorar, santificar.

Qual é o caminho? Tu és o caminho. Caminha!!!

 

Bençãos de coragem, fé e amor

Fernanda Franceschetto

fêmea, filha, mãe, gestalt-terapeuta, jornalista, atriz e mística moderna

 

www.fernandafranceschetto.com