o absurdo – e ainda vivo – tabu: expressar a própria vagina com honestidade

o absurdo – e ainda vivo – tabu:  expressar a própria vagina com honestidade

29 de agosto de 2018

Salve, mulher!

Sonho com o dia em que será piada termos sofrido o tabu do viver e expressar a própria vagina com

H O N E S T I D A D E.

O sexo é o poder vital absoluto.

Se ficamos aprisionadas na mentira das relações e/ou nas polaridades básicas: contenção/ repressão ou liberação/ promiscuidade deixamos de experimentar e descobrir o E S T A R nesta energia erótica, o fluir nesta força vital.

Inteiras – mesmo quando acompanhadas – na consciência íntima sexual.

É uma re- educação do sentir vital/erótico profundo, do eterno tempo no A G O R A, da conexão corpo-vulva-vagina-útero-coração-consciência- ser.

Um resgate arquetípico no aqui e agora da sacerdotisa sexual livre, dos templos dedicados ao A M O R, existentes antes do patriarcado.

O corpo da natureza era o próprio corpo da mulher – encarnação da Deusa.

Feminilidade devastada, natureza devastada e relações sexuais devastadas são sinônimos.

O sexo, natureza divina, pode ser resgatado e experimentado – em totalidade corpo-alma.

Só ou a sós.

 

Bençãos de coragem, fé e amor

Fernanda Franceschetto

filha, mãe, gestalt-terapeuta, atriz, jornalista e mística moderna